Bali

Ancoramos em Jacarta e pegamos um avião para Bali, uma cidade que respira espiritualidade e cultura.

Logo de cara, já dá pra sentir como a cidade é envolvida em suas crenças. Na ilha, a religião predominante é o hinduísmo balinês – diferente do hinduísmo indiano, que tem algumas fusões com o budismo e as religiões originais da região.

Como boa parte dos povos orientais, os balineses também têm grande respeito por deuses e demônios. E isso fica bem evidente na virada do ano balinês (que não segue o mesmo calendário que nós, ocidentais). Um dia antes do novo ano começar, acontece um desfile chamado “ogoh ogoh”, em que várias figuras gigantes passam pelas ruas para espantar os espíritos (como na foto).

Esse desfile antecede o Nyepi, que é o dia do silêncio. Quem diria que uma cidade com cores tão vibrantes e um desfile desse tamanho ficasse em silêncio, não é? Mas esse dia é muito respeitado, inclusive pelos turistas.

A cidade fica completamente sossegada e ninguém sai de casa. Não há pessoas nas praias ou nos restaurantes. O objetivo desse dia silencioso é mostrar aos demônios que a ilha está vazia, e portanto eles não teriam motivo algum para visitá-la.

Talvez você não seja supersticioso, mas é importantíssimo manter a mente aberta para outros pontos de vista, especialmente no que diz respeito a outras culturas.

Artigo de autoria dos Schurmann.

Uma cidade silenciosa
5 (100%) 1 voto

Comentar