A Bélgica, oficialmente o Reino da Bélgica, é um país da Europa Ocidental. É um dos membros fundadores da União Europeia (UE), incluindo a sua sede, bem como de outras grandes organizações internacionais como a Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO). A Bélgica tem uma área de 30.528 quilômetros quadrados e uma população de cerca de 10,7 milhões de habitantes.

A Bélgica, que ocupa a fronteira cultural entre a Europa germânica e a Europa latina, é constituída essencialmente por dois grupos linguísticos: o flamengo, o neerlandês e o francófono e um pequeno grupo de pessoas de língua alemã. As duas maiores regiões da Bélgica são a região neerlandófona da Flandres, a norte, com 59% da população, e a região francófona da Valônia, a sul, com 31% dos belgas. A região de Bruxelas, oficialmente bilíngue, é um enclave predominantemente francófono na região flamenga, com 10% da população. A Valônia Oriental tem uma pequena comunidade de língua alemã. A diversidade linguística e os conflitos políticos e culturais da Bélgica refletem-se na sua história política e no complexo sistema de governo.

Foto: Reprodução

O nome “Bélgica” vem da Gália Belga, uma província romana na parte norte da Gália habitada por belgas, uma mistura de povos celtas e germânicos. Historicamente, a Bélgica, os Países Baixos e o Luxemburgo eram conhecidos como Países Baixos, um nome que descreve uma área ligeiramente maior do que o atual grupo do Benelux. Desde o final da Idade Média até ao século XVII, o país foi um próspero centro econômico e cultural. Desde o século XVI até à Revolução Belga de 1830, muitas batalhas foram travadas entre as potências europeias no território da atual Bélgica, tanto que o país foi chamado de “campo de batalha da Europa”, uma reputação reforçada pelas duas guerras mundiais.

Após a independência, a Bélgica rapidamente participou na revolução industrial e, no final do século XIX, teve várias colônias em África. A segunda metade do século XX foi marcada pela emergência de conflitos comunais entre flamengos e valões, impulsionados por diferenças culturais e pelo desenvolvimento econômico assimétrico entre a Flandres e a Valônia. Estes conflitos ainda ativos conduziram a reformas profundas do antigo Estado belga unitário num Estado federal.

Gália Bélgica, uma província do Império Romano na parte norte da Gália que foi habitada por belgas antes da invasão romana em 100 aC, uma mistura de povos celtas e germânicos. A imigração gradual dos Franks, uma tribo germânica, no século V trouxe o território para o território dos reis merovíngios. Uma mudança gradual de poder no século 8 levou ao desenvolvimento do império franco para o carolíngio.

Foto: Reprodução

O Tratado de Verdun de 843 dividiu a região em França oriental e ocidental e depois numa série de feudos mais ou menos independentes, que na Idade Média eram vassalos do Rei de França ou do Santo Imperador Romano. Muitos destes feudos foram unidos nos séculos XIV e XV na Holanda borgonhesa. Na década de 1540, o Imperador Carlos V expandiu a união pessoal das dezessete províncias, tornou-se muito mais do que uma união pessoal através da Sanção Prática de 1549 e aumentou sua influência no Principado de Liège.

A guerra dos 80 anos (1568-1648) dividiu a Holanda em Províncias Unidas do Norte (Belgica Foederata em latim) e do Sul da Holanda (Belgica Regia). Estes últimos foram mais tarde governados pelos Habsburgos espanhóis e austríacos e foram os precursores da Bélgica moderna. Foi aqui que as guerras franco-espanhola e franco-austríaca tiveram lugar nos séculos XVII e XVIII.

Após as campanhas das Guerras Revolucionárias Francesas de 1794, a Holanda – incluindo áreas que nunca estiveram nominalmente sob o domínio dos Habsburgos, como o Principado de Bispado, Liège – foi anexada pela Primeira República Francesa e o domínio austríaco na região terminou. A reunificação dos Países Baixos como Reino Unido dos Países Baixos ocorreu com a dissolução do Primeiro Império Francês em 1815, após a derrota de Napoleão.

Foto: Reprodução

A Bélgica tem uma superfície de 30 510 km² distribuída por três regiões físicas principais: a planície costeira (noroeste), o planalto central e a cadeia das Ardenas (sudeste). A planície costeira é constituída principalmente por dunas e polders (pastagens). As pastagens são áreas terrestres na vizinhança imediata ou abaixo do nível do mar, protegidas por barragens ou, mais longe da costa, drenadas por canais. A segunda região física, o planalto central, é mais para o interior do país. É uma área ligeiramente acidentada, cuja altura se afasta lentamente da costa, com muitos vales férteis e irrigação por muitos cursos de água. Há também algumas áreas ásperas, incluindo cavernas e pequenas gargantas.

A terceira região física, as Ardenas, é um pouco mais forte que as outras duas. É um planalto densamente arborizado, muito rochoso e inadequado para a agricultura, estendendo-se a nordeste de França. É aqui que se encontra a maior parte da vida selvagem belga. O ponto mais alto da Bélgica situa-se nas Ardenas: o Sinal de Botrange, com apenas 694 metros de altura. Os dois rios mais importantes da Bélgica são o Escalda e o Mosa. Estas são a chave para cidades ricas como Tournai, Ghent, Antuérpia, Bruges, Liège e Namur. O clima é frio, temperado e chuvoso: a temperatura média do verão é de 25°C e a do inverno de 7°C. O clima é fresco, temperado e chuvoso. Os extremos anuais (raramente atingidos) são -12°C e 32°C. As temperaturas médias de verão são de 25°C e 7°C no inverno.

Apesar da sua separação política e linguística, a região correspondente à Bélgica assistiu hoje à emergência de grandes correntes artísticas que tiveram uma enorme influência na arte e na cultura europeias. Hoje em dia, a vida cultural está, em certa medida, concentrada em todas as regiões linguísticas do país, e uma multiplicidade de barreiras tornou menos pronunciado um espaço cultural comum entre os dois lados. Desde 1970 que não existem universidades ou faculdades bilingues no país, para além da Real Academia Militar e da Academia Marítima de Antuérpia. Não existe um órgão de comunicação social ou uma grande organização cultural ou científica que represente as duas principais comunidades do país.

Foto: Reprodução

Muitos restaurantes belgas de renome podem ser encontrados nos guias gastronômicos mais influentes, como o Guia Michelin. A Bélgica é conhecida pela cerveja, chocolate, waffles e batatas fritas com maionese. Os chips vêm da Bélgica, embora a sua origem exacta seja ainda incerta. Os pratos nacionais são “bife e batatas fritas com salada” e “mexilhões com batatas fritas”.

As marcas belgas de chocolate e confeitaria, como a Côte d’Or, Neuhaus, Leonidas e Godiva, são tão conhecidas como os seus produtores independentes, como a Burie e Del Rey em Antuérpia e a Mary’s em Bruxelas. A Bélgica produz igualmente mais de 1100 tipos de cerveja. A fábrica de cerveja Trappistenbier Westvleteren foi repetidamente nomeada a melhor cerveja do mundo. A maior cervejaria do mundo para produção em massa é a Anheuser-Busch InBev, com sede em Lovânia.

Foto: Reprodução

O que visitar na Bélgica?

Atomium (Bruxelas)

O Atomium foi construído em em 1958, e trata-se de uma estrutura com mais de 100 metros de altura que lembra um átomo. Hoje, este ponto turístico é um dos principais símbolos de Bruxelas, a capital da Bélgica, e deixá-lo de visitar quando for a Bruxelas é como ir a Paris e não visitar a Torre Eiffel. Apesar de não parecer, o turista pode entrar no Atomium e caminhar por suas nove esferas interligadas por tubos de ferro.

Atomium, Bruxelas (Reprodução)

Casa de Victor Horta (Bruxelas)

Um dos mais notórios designers e arquitetos do famoso movimento artístico francês Art Nouveau, Victor Horta ainda tem muitos de seus espetaculares prédios sobrevivendo até os dias de hoje por Bruxelas, e agora constituem um Patrimônio da Humanidade pela UNESCO. Você pode se sentir o próprio artista ao visitar o Museu Horta, também conhecido como a Casa de Victor Horta, prédio onde antes foi sua casa e estúdio, que seguem preservados.

Casa de Victor Horta, Bruxelas (Reprodução

Grand-Place (Bruxelas)

A Grand-Place, praça central da cidade de Bruxelas, é também um dos principais pontos turísticos da Bélgica e é cercada tanto por prédios governamentais como pela Casa do Rei, onde localiza-se o Museu da Cidade de Bruxelas. A bela praça recebe, a cada período de dois anos, no mês agosto, um enorme tapete de flores, com begônias que cobrem a maior parte do lugar ao longo de alguns dias.

Grand-Place, Bruxelas (Reprodução)

Het Eilandje (Antuérpia)

Antuérpia é considera por muitos a cidade mais moderna e descolada de toda a Bélgica. O município é cheio de galerias de arte e museus, e costuma receber muitos turistas artistas. Het Eilandje, por sua vez, vem tornando-se o bairro mais moderno. A antiga região portuária recebeu o MAS, um museu que lembra bastante o Tate, em Londres, e começou a se desenvolver. Suba no último andar para apreciar uma incrível vista!

Het Eilandje, Bruxelas (Reprodução)

Campos de Batalha de Flandres (Ypres)

A cidade de Ypres e sua região preservam até hoje inúmeras lembranças dos campos de batalha da Primeira Guerra Mundial, que ficou conhecida como Guerra de Trincheiras. A região dos Campos de Batalha de Flandres ainda está cheia de trincheiras que estendem-se por milhares de quilômetros, além de cemitérios e memorias que têm por objetivo relembrar a história e reforçar os horrores da Primeira Guerra Mundial.

Campos de Batalha de Flandres, Ypre (Reprodução)

Gravensteen (Gante)

O Castelo de Gravensteen, localizado na cidade de Gante, é um forte extremamente bem preservado, construído no século 10, e antiga casa dos condes de Flandres, região que hoje pertence à Bélgica. Este imponente ponto turístico impressiona pela sua história e beleza. Lá dentro você pode visitar o fosso e um museu bélico, além de poder apreciar uma incrível vista panorâmica do alto da torre, de onde a cidade velha pode ser avistada. Não deixe de visitar o simpático centro antigo da cidade depois de explorar o castelo.

Castelo de Gravensteen, Gante (Reprodução)

Catedral de São Bavão (Gante)

A impressionante Catedral de São Bavão, também na cidade de Gante, é outro dos principais pontos turísticos da Bélgica e o mais visitado da cidade. A torre tem estilo gótico e cripta romanesca, que preservam a arquitetura religiosa do país europeu. Além da arquitetura fascinante, que por si só já faz a visita valer a pena, muitos turistas vão até o local para conferir o Retábulo de Gante, uma enorme pintura composta por doze painéis que de extrema importância para o Renascentismo flamengo e que já foi usurpada pelas tropas de Napoleão e Hitler.

Catedral de São Bavão, Gante (Reprodução

Os Canais de Bruges (Bruges)

A pequena e charmosa cidade de Bruges preserva cidade de arquitetura medieval, com catedrais, museus e lindos canais. Bruges fica a aproximadamente uma hora de distância de trem da capital e é um lugar perfeito para um romântico passeio de barco. Caso o turista goste de uma aventura extra, ele tem a opção de adquirir um mapa e explorar os canais mais escondidos, um passeio que proporciona paisagens bucólicas.

Canais de Bruges, Bruges (Reprodução)

Waterloo

Citada na famosa canção do grupo ABBA, a cidade de Waterloo foi o local onde Napoleão finalmente sofreu sua derrota, na também famosa Batalha de Waterloo. A região ainda preserva alguns memoriais que recontam a história, incluindo uma popular colina artificial coroada com uma estátua de um leão. Anualmente, centenas de atores reencenam a batalha para aqueles que amam a riqueza da história europeia. É possível visitar a cidade em um dia, saindo a partir de Bruxelas.

Waterloo (Reprodução)

Mons

A simpática e acolhedora cidade medieval de Mons serve como capital da província de Haianaut nos dias de hoje, e conta com uma incrível praça central a única torre em estilo Barroco da Bélgica. Além disso, por ter sido Capital Cultural da Europa em 2015, a cidade preserva uma grande quantidade de museus bastante modernos.

Mons (Reprodução)

Deixe uma resposta