O Deserto do Atacama é um planalto desértico na América do Sul que se estende por uma faixa de 1.000 km de terra na costa do Pacífico a oeste dos Andes. O Deserto do Atacama é um dos lugares mais secos do mundo. Estima-se que o Deserto do Atacama ocupe cerca de 105.000 km2, ou 128.000 km2 se forem incluídos os baixos declives desérticos dos Andes. A maior parte do deserto é composta por terrenos rochosos, lagos salgados, areia e lava rochosa que desemboca nos Andes.

A extrema aridez do Deserto do Atacama se deve à constante inversão de temperatura pela corrente fria da Corrente de Humboldt que flui em direção ao norte e pelo forte Alto do Pacífico; a região mais seca do Deserto do Atacama está localizada entre duas cadeias montanhosas (Andes e costa chilena) de altura suficiente para evitar a descarga de umidade do Pacífico ou do Atlântico, sombreadas em ambos os lados da precipitação.

De acordo com o Fundo Mundial para a Natureza, a Ecorregião do Deserto do Atacama ocupa uma faixa contínua de quase 1.600 km ao longo da estreita costa do terceiro norte do Chile, desde Arica (18°24’S) ao sul até La Serena (29°55’S). A Sociedade Nacional Geográfica considera que a zona costeira do sul do Peru faz parte do Deserto do Atacama e também inclui os desertos da região sul de Ica, no Peru.

Foto: Reprodução

O Peru faz fronteira ao norte com o Peru e ao sul com a ecorregião Matorral Chilena. A leste está a ecorregião menos seca e seca dos Andes centrais. A parte mais seca desta eco-região situa-se a sul do rio Loa, entre o paralelo da Serra Vicuña Mackenna e a Cordilheira Domeyko. Ao norte de Loa está a Pampa del Tamarugal.

A geomorfologia do Deserto do Atacama foi caracterizada pelo Armijo e seus colaboradores como um baixo-relevo “semelhante a um enorme terraço elevado”. A depressão central (ou vale central) forma uma série de bacias endorréicas em grande parte do Deserto do Atacama ao sul do paralelo 19°30’S. O Deserto do Atacama é uma vasta área deste deserto com muitas bacias endorréicas. A norte desta latitude, a vazão intermédia baixa desagua no Oceano Pacífico.

Embora a característica mais marcante do Deserto do Atacama seja a ausência quase total de precipitação, podem ocorrer exceções. Em julho de 2011, uma frente fria extrema da Antártida atravessou a sombra da chuva e trouxe 80 cm de neve para o planalto, atingindo as pessoas da região, especialmente na Bolívia, onde muitos motoristas foram apanhados em bancos de neve e os socorristas foram submersos por várias operações de resgate.

Em 2012, o inverno do Altiplano causou inundações em San Pedro de Atacama. Em 25 de março de 2015, chuvas fortes caíram na parte sul do deserto de Atacama. As inundações resultantes causaram deslizamentos de terra nas cidades de Copiapó, Tierra Amarilla, Chanaral e Diego de Almagro, matando mais de 100 pessoas.

Foto: Reprodução

O Deserto do Atacama é amplamente conhecido como o lugar bipolar mais seco do mundo, especialmente perto da cidade deserta de Yungay (na região de Antofagasta, Chile). A precipitação média é de cerca de 15 mm (0,6 in) por ano, embora algumas localidades, como Arica e Iquique, tenham de 1 a 3 mm (0,04 a 0,12 in) por ano. Além disso, algumas estações meteorológicas do Atacama nunca tiveram chuva. No setor central, limitado pelas cidades de Antofagasta, Calama e Copiapó no Chile, foram registrados até quatro anos sem chuvas. Há indicações de que o Atacama não teve chuvas significativas entre 1570 e 1971.

O Deserto do Atacama pode ser o deserto mais antigo do mundo e está sujeito a uma extrema seca há pelo menos 3 milhões de anos, o que o torna a região mais antiga e persistentemente seca do mundo. A longa história de seca tem o potencial de criar mineralização supergênica em ambientes secos em vez de condições úmidas. A presença de formações de evaporação sugere que algumas partes do deserto do Atacama estão secas há 200 milhões de anos (desde o período triássico).

O Atacama é tão seco que muitas montanhas acima de 6.000 m (20.000 pés) estão completamente livres de geleiras. Somente os picos mais altos (como Ojos del Salado, Monte Pissis e Llullaillaco) têm cobertura de neve permanente.

A parte sul do deserto, entre 25 e 27° S, pode ter sido livre de geleiras em todo o Quaternário (mesmo durante a era glacial), embora o permafrost se estenda a uma altitude de 4.400 m (14.400 pés) e esteja continuamente acima de 5.600 m (18.400 pés). Estudos de um grupo de cientistas britânicos mostraram que alguns leitos de rios estão secos há 120.000 anos. No entanto, alguns lugares do Atacama recebem uma névoa marinha conhecida localmente como Camanchaca, que fornece umidade suficiente para algas hipolíticas, líquenes e até mesmo alguns cactos – o gênero Copiapoa é notável entre estes.

Foto: Reprodução

Geograficamente, a seca do Atacama pode ser explicada pelo fato de estar entre duas cadeias montanhosas (os Andes e a costa chilena) que são suficientemente altas para evitar que a umidade seja removida do Oceano Pacífico ou do Oceano Atlântico, uma sombra de chuva de duas faces.

Os povos indígenas da região eram os Atacameño, uma cultura indígena extinta que diferia dos Aymara no norte e dos Diaguitas no sul. Durante grande parte do século XIX, o deserto foi cenário de conflitos entre Chile, Bolívia e Peru por seus recursos minerais, particularmente os depósitos de nitrato de sódio no nordeste de Antofagasta e no interior de Iquique. Grande parte da região pertencia originalmente à Bolívia e ao Peru, mas a indústria de mineração era controlada por interesses chilenos e britânicos, que eram fortemente apoiados pelo governo chileno. O Chile saiu vitorioso da Guerra do Pacífico (1879-1873). Com o Tratado de Ancon (1883), o Chile tornou-se o proprietário permanente de áreas anteriormente controladas pelo Peru e pela Bolívia, perdendo esta última toda a sua costa do Pacífico.

A região provou ser uma das principais fontes de riqueza do Chile até a Primeira Guerra Mundial. Os depósitos de nitratos na depressão central e em várias bacias costeiras foram sistematicamente explorados a partir de meados do século XIX. Foram construídos portos em Iquique, Caldera, Antofagasta, Taltal, Tocopilla, Mejillones e mais ao norte em Pisagua. Antes da Primeira Guerra Mundial, o Chile tinha um monopólio global sobre os nitratos; em poucos anos, 3.000.000 toneladas foram extraídas e as taxas de exportação representaram metade das receitas do governo. O desenvolvimento de métodos sintéticos de fixação do azoto reduziu, desde então, o mercado a um nível regional. Parte do enxofre ainda está a ser explorada na Cordilheira Superior. No entanto, a principal fonte de renda na região é a mineração de cobre em Chuquicamata, na Bacia do Calama.

Alguma agricultura é praticada nos oásis dos rios do deserto, mas apenas alguns milhares de agricultores tradicionais são apoiados. Os limões são cultivados em Pica, e uma variedade de produtos é cultivada nas margens dos pântanos salgados de San Pedro de Atacama. Em Calama, perto de Chuquicamata, a água do rio Loa rega os campos de batata e alfafa.

Foto: Reprodução

Dicas de Viagem Para o Deserto do Atacama

O Deserto do Atacama é o sonho de viagem de muitas pessoas que querem explorar todas as atrações. E há muitas atrações que a região oferece. Mas este destino, embora cada vez mais visitado, ainda levanta muitas dúvidas ao planejar a viagem.

Uma das dúvidas mais comuns é como chegar ao deserto do Atacama no Chile. As pessoas ainda têm dúvidas sobre os voos diretos do Brasil, se é melhor passar por Santiago, se vale a pena apanhar um autocarro ou mesmo se vale a pena alugar um carro.

A cidade de San Pedro do Atacama, que serve de base para aqueles que querem visitar o deserto, está localizada na região norte do Chile, a cerca de 1.630 km de Santiago. Mas mesmo que não seja tão perto da capital, não é difícil chegar lá. O Deserto do Atacama abrange mais de 1.000 km² e a região possui uma série de cidades e vilas. Mas, sem dúvida, a melhor opção para ficar e explorar o deserto é a partir de San Pedro do Atacama. A cidade é o lar de uma grande cadeia de hotéis, escritórios de turismo e restaurantes, que oferecem todos os serviços essenciais para os turistas.

Uma das principais preocupações ao planejar uma viagem ao deserto do Atacama é o orçamento. A notoriedade de que o destino deve ser caro assusta as pessoas que querem visitar a região. Atacama, um dos destinos turísticos mais importantes do Chile, é um dos mais caros. Mas apesar dos preços mais altos, é possível, graças ao planejamento e à pesquisa, organizar uma viagem para explorar a região.

Foto: Reprodução

Antes de ir para um destino internacional, sempre nos perguntamos qual é a melhor moeda para levar consigo. No caso do Chile, as pessoas se perguntam se é melhor levar o dólar real ou comprar o peso chileno no Brasil. Na verdade, esta resposta dependerá de vários fatores, como a quantidade de dinheiro que você planeja levar com você, o preço das moedas naquele momento, entre outros.

O Atacama é o deserto mais seco do mundo. E por causa deste clima seco é comum perguntar quando é o melhor momento para visitar a região. Será se nunca chover lá? E o inverno é muito frio? Você tem atrações que estão fechadas em qualquer época do ano? Estas são algumas das dúvidas mais comuns entre aqueles que planejam uma viagem ao Atacama.

A parte mais difícil de planejar uma viagem no deserto do Atacama é, sem dúvida, estabelecer uma rota. Atacama é enorme e a lista de atrações é muito diversa. Vale da Morte, Vale da Lua, Lagunas Altiplânicas, Lagunas Altiplânicas, Gêisers, Salar de Tara, Salar do Atacama e Volcano Lascar são algumas das possibilidades de passeio que o visitante pode fazer. E é difícil escolher apenas alguns, especialmente para aqueles que ficarão na região por alguns dias. Portanto, o primeiro passo é conhecer as atrações turísticas mais populares do Deserto do Atacama e escolher os lugares que você preferir.

Foto: Reprodução

A culinária do deserto do Atacama é muito saborosa. Os pratos típicos são à base de milho, trigo e carne. Mas além dos típicos restaurantes de cozinha, a cidade oferece várias opções de cozinha internacional, como francesa, italiana, mexicana, japonesa, etc. E apesar da sua reputação como um destino caro, é possível encontrar boas opções a preços justos.

O Deserto do Atacama é um destino muito especial e não é fácil de embalar para novos visitantes. É melhor do que insegurança, temos dúvidas sobre o que devemos e não devemos levar conosco, o que não devemos deixar para trás, que tipo de roupas devemos colocar em nossas mochilas, e assim por diante.

O segredo de uma boa viagem pelo deserto do Atacama é saber planejar uma boa rota e escolher as viagens que deseja fazer. Mas para que tudo funcione sem problemas, você precisa contratar uma agência responsiva e confiável. Afinal, ninguém quer estragar a viagem com acontecimentos inesperados.

A competição em San Pedro do Atacama é acirrada quando se trata de serviços de recepção turística. São mais de 50 agências que oferecem um cardápio variado de passeios guiados. Pelo fato de haver muitas possibilidades, há também uma grande variação no preço. O truque é fazer alguma pesquisa antes de contratar e verificar se a agência contratada é confiável.

Foto: Reprodução

Deixe uma resposta