Santa Catarina é um estado que localiza-se na região sul do Brasil. Trata-se do 7º estado com menor área total e o 11º estado mais populoso. Além disso, é o 9º maior estabelecimento, com 295 municípios. O catolicismo é a religião da maioria da população de Santa Catarina. O idioma oficial, como nas demais unidades federais brasileiras, é o português. O estado cobre uma área de 95.733 km2 (36.813.366 mi2), que é mais que Portugal ou a soma dos estados brasileiros do Rio de Janeiro, Espírito Santo e Distrito Federal.

Santa Catarina faz fronteira a norte com o Paraná, a sul com o Rio Grande do Sul, a leste com o Oceano Atlântico e a oeste com a província argentina de Misiones. O caminho costeiro estende-se por mais de 450 km, cerca de metade da costa continental portuguesa. A cidade sede dos poderes executivo, legislativo e judicial do estado é a capital Florianópolis. Joinville, no entanto, é a cidade mais populosa do estado. Além do Espírito Santo, Santa Catarina é o único estado cuja capital não é a cidade mais densamente povoada. Ao sul do Trópico de Capricórnio, localizado na zona temperada sul do planeta, o estado tem um clima subtropical úmido no leste e oeste e um clima oceânico no meio. As condições climáticas variam em função do relevo da região: a oeste e nos planaltos montanhosos é relativamente comum haver geada e neve, enquanto na costa o clima é mais quente, permitindo atingir temperaturas elevadas no Verão.

Foto: Reprodução

O território de Santa Catarina, que inclui parte da expansão do antigo governo da Nova Andaluzia durante o grande Império Espanhol, foi um dos estados mais antigos do Brasil, separado de São Paulo em 1738, com o governador José da Silva Pais como seu primeiro governador. O estado foi criado por uma razão: estender os territórios portugueses ao sul do Brasil até a região do Rio da Prata. É também o estado mais antigo da região sul do Brasil, mais antigo que o Rio Grande do Sul (1807) e Paraná (1853). O estado de Santa Catarina foi fortemente povoado por imigrantes europeus: o litoral foi colonizado pelos portugueses dos Açores no século XVIII; o Vale do Itajaí – parte da região sul e norte de Santa Catarina – foi colonizado pelos alemães em meados do século XIX. O sul do estado foi habitado por italianos nos últimos anos do século XIX. Os filhos e netos de imigrantes italianos e alemães do Rio Grande do Sul se estabeleceram no oeste de Santa Catarina em meados do século XX. Descendentes de africanos e povos indígenas também povoaram o estado.

Os indicadores sociais do Estado estão entre os melhores do Brasil. Tem a maior expectativa de vida do país (como o Distrito Federal), a menor mortalidade infantil e é também o estado com as menores desigualdades econômicas e o menor analfabetismo do Brasil. Santa Catarina tem o 6º maior PIB do país, com uma economia diversificada e uma forte afinidade com a industrialização. É um importante centro de exportação e consumo, é um dos estados que mais cresce na economia brasileira e responde por 4% do produto interno bruto do país.

Santa Catarina tem uma posição muito estratégica no Mercosul, o Mercado Comum Sul-Americano. A sua posição no mapa situa-se entre o paralelo 25º57’41’ e 29º23’55’ da latitude sul e entre os meridianos 48º19’37’ e 53º50’00’ da longitude oeste. Florianópolis, a capital, fica a 1.673 km de Brasília, 705 km de São Paulo, 1.144 km do Rio de Janeiro e 1.850 km de Buenos Aires.

Foto: Reprodução

A Serra Geral, uma extensão sul da Serra do Mar, corre ao norte e ao sul através do estado paralelo à costa atlântica e divide o estado entre uma estreita planície costeira e uma maior área de planalto a oeste.

A costa atlântica de Santa Catarina tem muitas praias, ilhas, baías, enseadas e lagoas. As florestas tropicais úmidas e costeiras da Serra do Mar cobrem a estreita zona costeira, que é atravessada por numerosos riachos curtos das encostas arborizadas das Serras. As florestas costeiras da Serra do Mar são uma das fontes mais importantes da região.

A parte central do estado abriga as florestas úmidas de araucárias, dominadas por pinheiros brasileiros emergentes (Araucaria angustifolia). A drenagem do planalto é no sentido oeste para o rio Paraná, os rios são afluentes do Iguaçu, que forma a fronteira norte, e o rio Uruguai, que forma a fronteira sul. As florestas do interior do Paraná-Paraíba estão localizadas nos vales mais a oeste dos rios Iguaçu e Uruguai.

O ponto mais alto do estado é o Morro da Boa Vista com 1.827 m de altura e o segundo ponto mais alto é o Morro da Igreja, na cidade de Urubici, com 1.822 m de altura.

A colonização europeia começou com a colonização espanhola da Ilha de Santa Catarina em 1542. Os portugueses tomaram o controle em 1675 e fundaram o Capitão de Santa Catarina em 1738, que levou famílias dos Açores a povoar o litoral.

Em 1839, durante a Guerra de Ragamuffin, houve uma tentativa frustrada de Santa Catarina de se separar do Império Brasileiro e formar a Juliana Pública independente (aliada à República de Riogranden no sul), que foi derrotada após quatro meses.

Foto: Reprodução

Entre o início do século XIX e meados do século XX, um grande número de imigrantes europeus veio para Santa Catarina; esses imigrantes foram trazidos para Santa Catarina por iniciativa do imperador para povoar o sul do país. Cerca de 50% destes imigrantes vieram da Alemanha e da Áustria. O resto veio principalmente da Itália, Polónia, Rússia, Ucrânia, Países Baixos, Noruega, Suécia, Dinamarca, Luxemburgo, Suíça, Lituânia, França, Finlândia, Croácia, Sérvia, Estónia, Eslovénia, Letónia e Suécia; estes imigrantes fundaram uma riqueza de pequenas empresas familiares, muitas das quais ainda existem no interior.

No final de março de 2004, o estado de Santa Catarina foi atingido pelo primeiro furacão que atingiu o Atlântico Sul. Como não existe um sistema de nomenclatura para tal evento no Brasil, os meteorologistas brasileiros deram o nome de Furacão Catarina ao estado.

Um dos estados brasileiros que apresenta os mais claros sinais da imigração européia do século XIX, Santa Catarina, onde a grande maioria da população é descendente de colonos europeus, é também o estado com a maior proporção de fenótipos europeus.

Santa Catarina, onde mais de 50% da população tem descendência alemã, austríaca e luxemburguesa (o Hunsrückisch é conhecido como Katharina, a Pomerânia Oriental ainda é falada na cidade da Pomerânia e no sul da Áustria pela população tirolesa em Treze Tílias), foi também o principal destino dos dinamarqueses no Brasil e seu estado pouco povoado, cujas costas foram povoadas no século XVIII. No século XVIII, o local era habitado principalmente pelos Açores (incluindo a Laguna, nascida Anita Garibaldi, esposa e companheira do revolucionário italiano da Associação Giuseppe Garibaldi) e, no século XIX, acolheu também italianos, franceses, suecos, noruegueses, suíços, lituanos e letões, estônios, finlandeses, polacos, eslovenos, croatas, belgas, confederações americanas e espanhóis para povoar o interior.

Foto: Reprodução

A cidade de Brusque, fundada pelo barão austríaco de Schneeburg e com famílias alemãs do Grão-Ducado de Baden para se instalar no nordeste de Santa Catarina, recebeu ondas adicionais de italianos da Euro-região de Tirol e Trentino, Polônia e Suécia, 1867 foi também um dos alvos dos colonos da Confederação Americana no sul e sudeste, ao contrário das colônias de São Paulo e Paraná, onde a presença da Confederação Americana criou novas cidades, como Americana em São Paulo. Cidades vizinhas como Nova Trento, fundada em 1875, também receberam temas do Império Austro-Húngaro, como os tiroleanos de língua italiana, conhecidos como Trentinos, e os alemães do Reino da Prússia, os históricos suábios e banhos, foram confrontados com uma enorme crise no setor agrícola devido aos conflitos pela unificação da Itália e da Alemanha, que enfraqueceram o comércio local. Os italianos istrianos sob o domínio do Império Austríaco também fugiram da Áustria para se estabelecerem no Brasil, e algumas cidades como Nova Veneza, fundada em 1891, ainda têm mais de 90 por cento da população veneziana, muitas das quais ainda falam o dialeto italiano. A maioria dos venezianos se estabeleceu após a Terceira Guerra da Independência Italiana em 1866, quando Veneza, juntamente com o resto de Veneza, tornou-se parte do novo Reino da Itália.

O sector industrial é a componente mais importante, com 52,5% do PIB, seguido do sector dos serviços, com 33,9%. A agricultura representa 13,6% do PIB (2004). Exportações de Santa Catarina: aves 26,1%, produtos de madeira 15,4%, compressores 8,5%, algodão 6,8% e veículos 5,8% (2002).

Santa Catarina tem um dos mais altos padrões de vida do Brasil e é um importante centro industrial e agrícola. A capital, Florianópolis, tem uma economia diversificada, que é um pólo importante para a indústria tecnológica e um importante destino turístico. O comércio e os serviços também são muito fortes na capital. As cidades da região metropolitana de Florianópolis, como São José, Palhoça e Biguaçu, são pólos industriais importantes e diversificados, além de fortes áreas comerciais.

Foto: Gustavo Aguiar

No nordeste do estado, as indústrias eletromecânica, têxtil e moveleira são fortes; no oeste, dominam a pecuária e a avicultura, enquanto no sul predominam a cerâmica e os frutos do mar.

O corredor entre Joinville, Jaraguá do Sul e Blumenau é altamente industrializado – mais de 50% da produção industrial do estado está concentrada nesta pequena, mas altamente desenvolvida área.

Santa Catarina tem algumas das mais belas praias do Brasil – Os meses de verão (dezembro a março) fazem do estado um dos destinos turísticos mais procurados do Brasil e da América do Sul. Centenas de milhares de argentinos, uruguaios e paraguaios viajam às praias do estado entre meados de dezembro e o final de fevereiro, seguidos por turistas da Europa Ocidental e das Américas.

Foto: Reprodução

As grandes cidades e seus respectivos campos de Santa Catarina são:

  • Florianópolis, tecnologia; turismo; serviços; comércio; governo; educação.
  • Joinville, metal-mecânica; automóvel; turismo/eventos; desenvolvimento de software; comércio; plásticos; têxteis; química; educação.
  • Blumenau, têxteis; software; comércio e cerveja.
  • São José, indústria, comércio e serviços.
  • Criciúma, cerâmica.
  • Chapecó, gado e aves; baixo nível de turismo e indústria madeireira.
  • Itajaí, porto marítimo.
  • Jaraguá do Sul, motores elétricos e têxteis.
  • Palhoça, indústria.
  • Balneário Camboriú turismo; comércio.
  • Tubarão, cerâmicas
  • Brusque, têxtil.
  • Rio Negrinho, móveis.
  • Caçador, móveis; metalurgia; agroindústria.
  • Campos Novos, agroindústria.
  • Concórdia, indústria suinícola.
  • Curitibanos, agroindústria, indústria madeireira, educação.
  • São Joaquim, turismo.
Foto: Reprodução

Praias de Santa Catarina

Praia Brava (Itajaí)

Entre Itajaí e Balneário Camboriú fica a Praia Brava, uma das praias mais populares do litoral de Santa Cataria. Além de uma variedade de atividades de lazer, como surfe, parapente e jet ski, é um lugar com água limpa e beleza natural. Está bem preservada e a área verde é uma festa para os olhos! Alguns dos melhores clubes noturnos do país estão lá, por isso vale a pena ficar de olho na vida noturna da Praia Brava.

Foto: Reprodução

Praia da Conceição (Bombinhas)

A Praia da Conceição, localizada em Bombinhas, é um excelente point para famílias com crianças pequenas, praticantes de esportes e turistas à procura de paz. O mar é limpo e agitado e a paisagem natural está bem preservada e encantadora. As piscinas naturais são uma boa escolha para os mais jovens. A praia está a caminho de Morro do Macaco. Por ser preservada e desurbanizada, recomenda-se que os turistas levem seus lanches e bebidas com eles durante todo o dia.

Foto: Reprodução

Ilha de Porto Belo (Porto Belo)

A Ilha de Porto Belo é um lugar paradisíaco, com uma natureza quase intocada. Há uma capacidade máxima de 1900 visitantes diários ao local, além de boa infra-estrutura com restaurantes, banheiros e até um museu. Os caminhos ecológicos são uma boa escolha para os turistas que querem se aventurar.

Foto: Reprodução

Lagoinha do Leste (Florianópolis)

O caminho para este paraíso é difícil: leva pouco mais de uma hora para chegar à Lagoinha do Leste, mas é claro que também é possível ir de barco. Se você tiver ar, pode seguir em frente: suba ao Morro da Coroa e desfrute de uma vista privilegiada. A praia é altamente recomendada para aqueles que procuram tranquilidade e sossego, e uma boa dica é que os turistas levem a sua própria comida e, claro, levem o lixo embora.

Foto: Reprodução

Praia Central (Balneário Camboriú)

A urbanizada Praia Central tem uma extensão de quase sete metros,tem excelente infra-estrutura e é cercada por arranha-céus. Aqueles que lá ficam estão muito bem localizados, pois existem várias possibilidades para restaurantes, lojas, bares e atrações turísticas. O calçadão da praia é um point turístico, com muitas atividades esportivas, pessoas caminhando e um grande estado de espírito.

Foto: Reprodução

Praia de Cabeçudas (Itajaí)

A bela, urbanizada e uma das praias mais movimentadas de Itajaí, a Praia das Cabeçudas tem boas ondas e é um ótimo lugar para quem quer sossego. Os turistas contam com ótima infra-estrutura equipada de pousadas e hotéis, áreas de camping, restaurantes e bares. É na calçada que os visitantes se encontram, seja para uma caminhada ou um passeio de bicicleta. A Santa Capela é uma obrigação para quem gosta de turismo e história.

Foto: Reprodução

Guarda do Embaú (Palhoça)

A Guarda do Embaú é considerada uma das 10 praias mais bonitas do Brasil e pode ser alcançada pelo Rio da Madre – há várias canoas que a atravessam. O destino é muito popular entre surfistas e encanta os visitantes com suas pousadas e ruas de areia. Escale a Pedra do Urubu para vistas espetaculares da praia. Entre abril e julho, entretanto, é proibido praticar esportes na região, pois é a época da pesca da tainha.

Foto: Reprodução

Praia do Campeche (Florianópolis)

Localizada a 16 km de Florianópolis, a Praia do Campeche é uma das praias mais ecléticas da ilha, pois acolhe famílias, idosos, jovens e surfistas, sendo um point de encontro. A ilha de Campeche, acessível de barco, é considerada o Caribe de Santa Catarina. A praia conta com quiosques e restaurante, além de muitas instalações de albergues e pousadas nas proximidades.

Foto: Reprodução

Deixe uma resposta