Cabo Frio é um município brasileiro localizado na chamada Região dos Lagos, no estado do Rio de Janeiro. O município está localizado na latitude 22º52’46” sul e 42º01’07” oeste, a uma altitude de 4 metros acima do nível do mar.

Cabo Frio é o município da Região dos Lagos de maior importância econômica e tem alguma influência no panorama turístico nacional. O município se transformou em um centro turístico influente e é uma parte importante da trilha turística do Rio de Janeiro, o principal destino da chamada Costa ao Sol.

A ocupação humana da terra em que a cidade de Cabo Frio foi fundada começou há cerca de seis mil anos, quando um pequeno grupo de famílias nômades chegou pelo mar em canoas e acampou em um morro, até então uma pequena ilha rochosa na atual barra do lago Araruama e no extremo litoral, às margens do Canal Restinga Itajuru.

De acordo com a evidência arqueológica encontrada neste “Sambaqui”, que mais tarde foi abandonado para sobreviver devido ao esgotamento dos recursos, o grupo nômade tinha tecnologia básica e foi baseado em uma economia de coleta, caça e caça em que os moluscos constituíram quase todo o resultado dos esforços para fornecer alimentos e decoração. Há mais de 1500 anos, guerreiros indígenas Tupinambás começaram a conquistar a costa da região.

Foto: Reprodução

Os vestígios arqueológicos das aldeias de Tupinambás, estudados na região de Cabo Frio e nos campos de pesca (Praia Grande em Arraial do Cabo), mostram uma adaptação ecológica mais eficaz que os estoques nômades pioneiros. O profundo conhecimento biológico da paisagem regional, em particular das lagoas de Araruama e dos mares costeiros ricos em recursos naturais, levou a que os peixes se tornassem uma fonte de alimento para os Tupinambás, reforçada pela captura de crustáceos, caracóis e moluscos.

A vegetação dos locais de descanso e dos manguezais da costa oferecia oportunidades únicas para a coleta de recursos silvestres, o que também levou ao cultivo de diversas espécies botânicas, destacando-se a forte presença da mandioca no cardápio e o domínio das técnicas cerâmicas. A caça, atividade masculina exclusiva, foi muito importante como complemento às proteínas na dieta dos grupos locais.

Os Tupinambás batizaram a região de Cabo Frio como Gecay, a única especiaria da cozinha feita de sal grosso cristalizado. Nos terrenos onde o município de Cabo Frio seria estabelecido foram encontrados quatro possíveis objetos de Tupinambás. Os dois primeiros, Morro dos Índios e Duna Boavista, mostraram sinais de campos de pesca e coleções de mexilhões, enquanto o terceiro, Fonte do Itajuru, próximo ao morro do mesmo nome, era a única maneira segura de fornecer água potável e corrente disponível na Restinga.

Neste morro, ao lado do poço, o Morro da Guia de hoje é o lugar mais importante da região e um dos mais importantes do Brasil pré-histórico: o santuário da mitologia Tupinambá, criado pelo complexo de pedras sagradas de Itajuru (“estuários de pedra” em Tupi-Guarani). Nesses blocos de granito preto e granulação muito fina, com sulcos e pequenas depressões circulares, os índios contavam histórias de seus heróis bruxos, que ensinavam a arte da vida e do amor à vida. Quando esses heróis civilizados morreram, eles foram transformados em estrelas até que o sol decidiu enviá-los para Itajuru como pedras sagradas para serem adorados pela humanidade. Se tivessem sido quebrados ou roubados, todos os índios teriam desaparecido da face da terra.

Foto: Reprodução

Em 1503, a terceira expedição naval portuguesa a reconhecer a costa brasileira foi desmantelada em Fernando de Noronha e o resto da frota foi dispersa. Dois navios sob o comando de Américo Vespúcio continuaram sua viagem para a Bahia e depois para Cabo Frio. Além do porto de Araruama, os membros da expedição construíram e decoraram uma fábrica de fortalezas com 24 “cristãos” para visitar o abundante Pau-Brasil na margem continental da lagoa.

Em 1512, os índios Tupinambás destruíram essa primeira instalação civil-militar, que assumiu a propriedade portuguesa da “terra recém-descoberta” e começou a conquistar o continente americano em 1526 por causa de “muitos motins e mal-entendidos entre eles”. Desde 1504. Os franceses trocavam madeira e outros bens com os índios no litoral brasileiro. Nas primeiras três décadas do século XVI, praticamente limitaram as suas atividades à costa da região nordeste.

A partir de 1540 os franceses, devido ao rigor da polícia marítima portuguesa, utilizaram o litoral destes mares e aumentaram os recursos naturais de Cabo Frio. Em 1556 eles construíram uma fortaleza para a exploração da madeira brasileira na mesma ilha que era usada pelos portugueses, perto do porto de Araruama Bar. A “Casa de Pedra” da Cabofriense ampliou e consolidou o domínio francês na costa sudeste, começando pelo forte de Villegaignon, no Rio de Janeiro, um ano antes.

A chamada “Guerra de Cabo Frio” teve lugar em 1575. O governador do Rio de Janeiro, Antônio Salema, reuniu um poderoso exército de pessoas da Guanabara, São Vicente e Espírito Santo, apoiado por uma grande tropa tupiniquim-capelada. Os oficiais e soldados foram por terra e mar para liquidar o último bastião da Confederação Tamil e pôr fim ao regime francês que já durava vinte anos em Cabo Frio.

Foto: Reprodução

Após o cerco e capitulação da fortaleza de língua francesa, dois franceses, um inglês e o xamã Tupinambá foram condenados à morte e enforcados, outros quinhentos foram capturados e cerca de 1500 índios inimigos foram escravizados. Os vencedores entraram no sertão e incendiaram aldeias das tribos inimigas, vitimando e prendendo milhares de índios. Muitos fugiram para a Serra do Mar e para a região de Cabo Frio.

As planícies costeiras, de Macaé a Saquarema, foram transformadas num verdadeiro deserto pelo coro contra os índios, que se juntaram aos franceses, e que só se emocionaram com a passagem esporádica dos Goitacazes, que invadiram estas áreas em busca de caça e pesca.

Embora os portugueses não tenham colonizado Cabo Frio após a guerra de 1575, eles estabeleceram um eficiente bloqueio naval na cidade do Rio de Janeiro. Mas entre 1576 e 1615, com a perda da independência de Portugal para a Espanha, o porto de Araruama foi novamente visitado por navios franceses, ingleses e holandeses em busca de madeira brasileira e também se tornou a base da pirataria contra navios portugueses que tentavam dobrar o cabo. Depois de 1580, com a escravidão de Portugal, a Espanha duplicou a presença destes navios, que carregavam as bandeiras inimigas dos castelhanos.

Entre 1650 e 1660, a grave crise do sal português, que levou o Brasil a perder o abastecimento, chamou a atenção da área metropolitana para a cristalização natural do produto na lagoa de Araruama. Graças a este impulso económico, foi criado um novo centro da cidade a par da actual Obra de Porto Rocha: a Rua Direita (hoje Érico Coelho) foi demolida, a Igreja de Nossa Senhora da Assuncao e a casa da câmara e corrente que formava o Largo da Matriz, onde o pilar foi concluído.

Em meados de 1660, as condições geopolíticas para o retorno do investimento à cidade de Cabo Frio cristalizaram-se. Já em 1663, a administração da Bahia foi reunificada. José Varella foi reeleito capitão de Cabo Frio e, pela primeira vez, foi designado o Alto Alcast para a cidade. O novo governador do Rio de Janeiro tentou impedir a posse de José Varella; o governador acabou sendo censurado para não interferir na jurisdição de Campos dos Goitacazes, que pertencia a Cabo Frio. Os beneditinos receberam então a Sesmaria municipal de onde nasceu o distrito de São Bento.

Foto: Reprodução

Os beneditinos, sempre bem informados, começaram a reviver os monumentos da Sesmaria que tinham sido preservados na cidade de Cabo Frio em 1620 para construir um mosteiro, e fizeram uma fornalha na área para produzir cal e outras melhorias. Um ano depois, em 1664, pediram mais terra para construir casas para os monges que vieram morar na cidade. Provavelmente a Igreja de Nossa Senhora da Assunção da Bem-Aventurada Virgem Maria ainda não estava concluída, porque o ofício foi assumido pelo Padre Bento de Figueiredo apenas numa carta real de Fevereiro de 1666.

Como os beneditinos não construíram casas para o assentamento de acordo com suas obrigações, o conselho municipal assumiu a área. Em 1667, afirmaram que só então a cidade começou a ser povoada e, por isso, pediram uma parte do terreno com dezoito fios na rua da direita para que o edifício pudesse ser construído para ser utilizado pela câmara.

Trinta anos depois, em 1696, os Franciscanos inauguraram o Mosteiro de Nossa Senhora dos Anjos, próximo à Fonte de Itajuru, e consolidaram o circuito histórico do novo centro administrativo, religioso e colonial. No final do século XVII, o desenvolvimento urbano de Cabo Frio voltou a estagnar. Basicamente por duas razões: A vila indígena de São Pedro, sob jurisdição jesuíta e habitada por dois mil habitantes, não conseguia mais impedir seus inimigos de pousar em Búzios, de modo que a exploração de casas de cerveja naturais, a primeira e maior riqueza de colonizadores, era estritamente proibida.

No entanto, esta encomenda não foi executada, o que levou ao comércio de produtos marítimos. A câmera continuou a alugar praias em Cabo Verde e Búzios. Dois moinhos de aguardente foram construídos em Araruama e a fazenda Campos Novos foi construída pelos jesuítas, uma futura fazenda modelo e um importante centro colonial no atual distrito de Tamoios. Originalmente, a fazenda era usada para criação de gado para abastecer açougues e minas de ouro do Rio de Janeiro em Minas Gerais.

Foto: Reprodução

O Forte de São Mateus foi tripulado e rearmado já no início do século XVIII. A defesa do capitão começou a levar em conta um terço da infantaria, exceto o regimento de cavalaria. A cidade de Cabo Frio se expandiu para incluir a Igreja Nossa Senhora da Assuncao, a Capela Nossa Senhora da Guia no Morro do Itajuru e a Igreja de São Benedito no Largo da Passagem. A cidade tinha cerca de 1500 habitantes em 350 casas, enquanto os outros dez mil habitantes se espalharam até o capitão, metade dos quais eram escravos negros.

Essa expansão urbana refletiu o sucesso de diversas atividades econômicas que foram exportadas para o Rio de Janeiro, geralmente por Barr de Araruama. A agricultura foi caracterizada por plantações de índigo, coxonilha, hortaliças, cana-de-açúcar, mandioca, feijão e milho, cuja maior produção veio da fazenda Campos Novos, que continuou a cultivar gado. Apesar da repressão de Portugal, a produção de sal continuou a ser abundante.

Em Arraial do Cabo, a pesca de arrasto floresceu e a igreja de Nossa Senhora dos Remédios foi construída. Em Armação dos Búzios, entre 1720 e 1770, ocorreu a caça à baleia e o uso de seu óleo. Na pesca em alto mar e no interior da lagoa eram capturados peixes e camarões. Tijolos e telhas eram produzidos em argila e cerâmica, florestas preciosas eram derrubadas em florestas e serrarias, e muitas tábuas eram produzidas em serrarias.

A Câmara de Cabo Frio apoiou entusiasticamente a independência do Brasil em 1822, e foi representada em uma cerimônia de homenagem à Casa Pedro I, recebendo mais tarde um prêmio: O engenheiro chefe Bellegard, enviado pelo governo imperial, construiu um farol na ilha de Cabo Frio para evitar naufrágios como o da fragata “Thetis” e também levantou as proclamações da futura ponte sobre o Canal de Itajuru, instalou um telégrafo e continuou, limpou o novo bar e fechou o velho bar e fechou o velho e velho bar.

O próprio Bellegard e outros moradores construíram o edifício Charitas, projetado para abrigar e educar os recém-nascidos de mães solteiras pobres que permaneceram na roda da porta, à noite, onde foram recolhidos anonimamente. Eventualmente, Bellegard desenhou e demoliu as primeiras ruas da cidade de Cabo Frio, promovendo assim o primeiro plano de urbanização da cidade.

Foto: Reprodução

A visita que a Casa II Pedro fez à cidade em 1847 fortaleceu a relação especial que Cabo Frio tinha com o Governo do Imperador, após a doação de dinheiro para a construção de uma cobertura de fonte para Itajuru e outras fontes para Charitas, para facilitar sua manutenção e instalar uma enfermaria, que foi muito útil durante as devastadoras epidemias de febre amarela e varíola que assolaram a região no século XIX.

O imperador visitou a fábrica do modelo Salina Perynas, que ele mesmo encorajou, pertencente ao alemão Lindenberg, que implementou novos métodos de produção mineral através do lançamento do moderno parque de salmoura Araruama.

Dois problemas com escravos abalaram Cabo Frio ao longo do século. A primeira diz respeito ao desenvolvimento de fugas, assassinatos e revoltas negras, resultando em quilombos que abalaram os mestres brancos, apesar das ações dos capitães da floresta. A segunda diz respeito à proibição do comércio transatlântico de escravos e ao florescente contrabando daí resultante.

As praias do Peró, em Cabo Frio, José Gonçalves e Rasa, em Búzios, tornaram-se os pontos de desembarque secreto desse tráfico humano. A Marinha Inglesa, em flagrante desrespeito às leis brasileiras, promoveu a repressão ao tráfico e veio para assumir navios escravos no litoral e desembarcar os fuzileiros em Cabo Frio e Búzios.

Nas últimas décadas do século XIX, a barra e o velho porto de Araruama receberam novas melhorias do governo imperial, dando lugar a navios maiores e expandindo ancoradouros, o que é um fator importante para o aumento das exportações regionais. Por iniciativa particular do engenheiro francês Leger Palmer, alguns assoreamentos críticos do Canal do Itajuru foram dragados e canalizados, fato que permitiu a ampliação da carga e a navegação mais eficiente dos vapores e veleiros que transportavam a grande produção de sal para os armazéns da cidade.

Foto: Reprodução

Na década de 1940, observou-se que o Canal de Itajuru havia sido escavado e melhorado para facilitar a navegação. Na sua margem havia instalações portuárias, incluindo estações de pescadores, depósitos de sal, fábricas de cal e estaleiros navais. Os dois centros históricos da cidade se fundiram e novas ruas e blocos de apartamentos foram criados como atrações turísticas ao longo da Praia até a Fortaleza, anteriormente abandonada.

A melhoria das vias de acesso, as condições climáticas excepcionais, um patrimônio natural muito atrativo e as alterações socioculturais estimularam o lazer semanal e o turismo nas “praias balneárias” em meados da década de 40. No início foi uma atração para os ricos aventureiros do Rio de Janeiro, um encontro social de vários privilegiados, esportistas náuticos e entusiastas de submarinos.

Mais tarde, Cabo Frio tornou-se uma atração turística para os anões e mineiros, instalações para segunda residência, clubes de vela, vida noturna, hotéis, restaurantes, serviços comerciais e públicos. Com a abertura da Ponte Rio Niterói em 1973, iniciou-se a atual fase do turismo de massa.

Embora a cidade se estenda até a fronteira continental, onde construiu assentamentos turísticos e um cinturão de imigrantes pobres, Cabo Frio recebe investimentos federais, estaduais, urbanos e privados em infra-estrutura viária para água, eletricidade, comunicações, educação e saúde, e especialmente desde o início do século XXI, com o surgimento das universidades, tornou-se um pólo universitário que atrai estudantes de toda a região do lago.

A população flutuante aumenta dez vezes no verão. Os pântanos salgados apresentam sinais de esgotamento pela concorrência do produto nordestino e pela especulação imobiliária nas margens da lagoa de Araruama, enquanto a pesca está sobrecarregada pelo esforço de pesca excessivo e pela deterioração da qualidade do ambiente marinho. Na década de 1980, a descoberta e exploração de petróleo na bacia de Campos abriu uma nova fronteira para o desenvolvimento regional. Poços altamente produtivos, localizados ao largo da costa da Cabofriense, são responsáveis pelo pagamento de taxas de licença substanciais aos cofres da comunidade, o que tem incentivado o desenvolvimento e a urbanização da cidade desde os anos 90.

Foto: Reprodução

Réveillon em Cabo Frio

O Réveillon de Cabo Frio configura-se como uma grande festa, oferecendo ao público diversos shows de bandas de renome nacional, músicos da região e uma bela tradicional queima de fogos de artifício.

A expectativa para o Ano Novo de Cabo Frio sempre é grande, e o município se prepara para receber milhares de turistas. A estrutura da festividade conta com banheiros químicos, torres de som, telões de LED e palco de 15 metros de altura.

Foto: Reprodução

Durante a alta temporada, o público toma conta da extensa praia do Forte, que conta com grande infraestrutura repleta bares e restaurantes, além de ser um cenário maravilhoso para a tradicional queima de fogos na virada do ano. A programação do Réveillon conta com ritmos e estilos que atendem os mais diversos públicos, desde MPB, axé, sertanejo, rock e gospel.

Deixe uma resposta